english version | home

Traduzir

Sérgio Britto e Jung 1

Walter Boechat 2

“E o Sérgio Britto agora virou Estrela...”
Paulo César Brito

Sergio Britto telefonou-me  em 2005. Procurava em mim alguém que o ajudasse com os conceitos da psicologia de Jung para a peça Jung e Eu, monólogo de Domingos de Oliveira com a colaboração de Giselle Kosovski sobre Carl Gustav Jung que encenaria meses depois no CCBB. Encontrei Sérgio Britto por diversas vezes em sua casa em Santa Teresa para discutirmos os conceitos fundamentais de Jung, o processo de individuação, o inconsciente coletivo e os arquétipos. Nesses encontros pude descobrir um Sérgio Britto com um discurso vibrante, cativante, puro transporte, a magnética presença de um ator e diretor teatral de personalidade inigualável.  Falei sobre os conceitos junguianos, Sérgio demonstrou a íntima convivência com esses conceitos, sua vida sendo plena expressão daquilo que Jung denominou processo de individuação; uma intimidade com os processos internos, uma convivência com as imagens interiores, um trilhar de caminhos tortuosos para a expressão plena do self.

Falou-me com intimidade sobre seus estudos de medicina, muito a gosto da família, mas distintos de seu querer mais autêntico. A poderosa vocação para o teatro já vinha emergindo como expressão do seu self criativo  na faculdade, entre os disfarces médicos de sua persona... E contou-me finalmente como o Ator e homem de teatro  brotou em sua plenitude e Sérgio pode então construir seu  caminho próprio... Eu ouvia a tudo emocionado, constatando que o processo de individuação a que Jung aludira é ainda possível, embora bastante raro...
Sérgio contou-me suas experiências fundamentais. Como conviveu com o preconceito sobre sua orientação sexual e pode integrar em sua vida todos esses aspectos. Ouvindo-o pude perceber a sabedoria da idade avançada convivendo com a inocência e espontaneidade da criança. Parece-me ser essa a maturidade maior. A integração da homossexualidade não se deu sem sofrimento, como me narrou. Falou no rito de passagem do seu processo de individuação em sua tentativa de suicídio, feita de modo automático, cortando os pulsos, após bastante tempo tomando sol na praia de Copacabana. Só depois entendeu os desafios e significados maiores de seu gesto para a integração de sua sombra.
Comentou outro ritual de passagem importante: sua desilusão com a medicina. Ainda estudante, plantonista em maternidade, os médicos estavam ausentes durante a noite. (O que causava grande decepção em Sérgio). Aconteceu um parto emergencial, com apresentação de cócoras. Sérgio não sabia absolutamente o que fazer. Quando deu por si, estava fazendo o parto, que foi plenamente bem sucedido. A enfermeira parabenizou-o, relatando que ficou surpresa ao perceber que Sérgio conhecia aquela manobra de.... (usou um complicado nome em alemão do criador daquela manobra obstétrica).  Sérgio comentou para mim, com seu inigualável humor: “foi a minha primeira experiência mediúnica-junguiana do inconsciente coletivo...”

Ao ser perguntado sobre o que eu achava dessa sua experiência, comentei que realmente, em situações extremas, em momentos de transição de vida ou de morte, energias transpessoais podem ser ativadas no inconsciente coletivo, independentes de nossa volição pessoal. Sérgio Britto teria sido um canal dessas forças curativas coletivas. Na verdade, ele o foi durante toda sua vida, imortal ator como foi, sempre um canal perfeito para personagens representantes de imagens arquetípicas do inconsciente coletivo. Ele sempre nos levou às nossas catarses, ás nossas transformações, às nossas curas através de suas performances.
O interesse de Sérgio por Jung vinha já de algum tempo. Essa identificação com as idéias junguianas o levou logo após o êxito da peça Jung e Eu a fazer uma apresentação para a edição de 2006 do conhecido livro autobiográfico de Jung, Memórias Sonhos e Reflexões, pela Nova Fronteira. Nessa apresentação Sérgio conta um pouco de seu acercamento do complexo pensamento do psicólogo suíço:

“Jung via a libido com maior amplitude, acreditando que valores como a espiritualidade, criatividade e nutrição poderiam mover os homens com tanta força quanto o sexo...... Mais uma vez me aproximo de Jung. Por mais que eu tenha sido o ser humano altamente sexual/sensual, minha libido maior, aquela que dominou minha vida acima de tudo, foi sempre minha carreira artística, especialmente a do ator teatral. Encontro no realizar teatral, na procura interna de meu personagem de cada nova peça, um jogo espiritual altamente prazeroso, e no ato de criar um ser novo que não sendo mais eu, e sim alguém que criei dentro de mim, a libido que realiza um orgasmo acima de todos que experimentei em toda a minha vida sexual amorosa.”
(Sérgio Britto, 2006: 11,12)

Tive ainda dois encontros com Sérgio para mim bastante significativos: no primeiro conversamos sobre os aspectos psicológicos da peça de Lars Nören Outono, Inverno que Sérgio encenou no CCBB do Rio de Janeiro de junho a agosto de 2006, com a direção de Eduardo Tolentino. A conversa foi no programa semanal de Sérgio na TV Educativa, “Arte com Sérgio Britto”. O segundo encontro foi um convite meu para Sérgio dar seu depoimento pessoal sobre Jung em Congresso Junguiano promovido no Hotel Glória em 2008. Nesse último encontro Sérgio Britto foi muito aplaudido por uma platéia de centenas de pessoas de todo o Brasil ao repetir trechos de grande intensidade dramática da peça Jung e Eu.
Agora Sérgio Britto se foi, deixando conosco a memória de sua rica presença e criatividade. Mediador de experiências profundas, catalizador de verdades imutáveis, fez do palco o espaço de transformação, catarse e verdade. Com sua perda, só podemos repetir sua reflexão em um último texto seu:
“Agora é hora de esperar com calma e tentando não sofrer as próximas palavras”. 

REFERÊNCIAS

BRITTO, Sérgio (2006)- Como encontrei Jung. In: JUNG, C.G. – Memórias, sonhos, reflexões. Rio de Janeiro; Nova Fronteira.


1 -   Parte desse texto está no prelo para publicação como posfácio do Livro Memória a Dois, última obra de Sérgio Britto, organizada por seu sobrinho, Paulo Brito.

2 - Walter Boechat, analista junguiano, escritor.

 

 


Instituto Junguiano do Rio de Janeiro

Av. Nª Sra. de Copacabana, 1052, sala 1204 – Copacabana
Rio de Janeiro/RJ CEP 22060-002

Tel.: + 55 (21) 2247-2433 – Secretária Cintia, 2ª a 5ª feira, das 13 às 18 horas e 6ª feira das 13hs às 20:30.
institutojungrj@gmail.com